A tireoide, uma verdadeira maestrina no equilíbrio feminino

A tireoide (ou tiroide) vem da palavra grega thyreos, que quer dizer “escudo”. É uma glândula em forma de borboleta (com dois lobos). Fica localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo da região conhecida como pomo de adão (ou, popularmente, gogó). É uma das maiores glândulas do corpo humano, que tem um peso aproximado de 15 a 25 gramas e pertence ao sistema endócrino, que controla o nosso metabolismo basal.

Metabolismo é o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior das células dos organismos vivos.

Podemos exemplificar: o crescimento e desenvolvimento do corpo e as funções corporais, como respiração, controle de temperatura, frequência cardíaca, ciclo menstrual e reprodutivo, que são fundamentais para o bom desempenho da saúde feminina, em diferentes fases da vida.

  • Infância e adolescência: os hormônios tireoidianos são importantes atores no desenvolvimento cerebral, crescimento ósseo e maturação esquelética.
  • Fase reprodutiva: a glândula tem o papel de regular as funções sexuais. Qualquer alteração pode causar dificuldade para engravidar, abortos de repetição, irregularidade menstrual e, mais raramente, provocar a falência ovariana precoce.
  • Climatério: após a última menstruação, as disfunções da tireoide geram sintomas pouco específicos, que podem ser confundidos com o quadro típico do fim da fase reprodutiva. Essas alterações aumentam o risco de outras doenças, como infarto, depressão e alterações neurológicas.

O cuidado deve ser redobrado nas mulheres com mais de 60 anos, faixa etária de maior prevalência de problemas na glândula.

Talvez a estatística mais impressionante seja a de que até 60% das pessoas com doenças da tireoide não saibam de sua condição e que as mulheres têm de 5 a 8 vezes mais probabilidade de ter problemas na glândula do que os homens.

O mal funcionamento ou desequilíbrio pode se manifestar em qualquer lugar do corpo.

As alterações na tireoide podem causar diversos sintomas que, se não forem bem interpretados, podem passar despercebidos e o problema pode continuar se agravando.

Ela é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina) que, caso estejam alterados em decorrência do funcionamento exagerado, conhecido como hipertireoidismo, ou hipotireoidismo, no caso do mal funcionamento da glândula, como exemplificamos a seguir.

  1. Aumento ou perda de peso

O aumento de peso sem razão aparente, especialmente se não houver alterações na dieta ou nas atividades do dia a dia, é sempre preocupante e pode ser causado pelo hipotireoidismo, pela queda do metabolismo.

  1. Dificuldade de concentração e esquecimentos

Sentir que está constantemente com a cabeça fora do lugar, tendo muitas vezes dificuldades de concentração ou esquecimentos constantes, pode ser um sintoma de alterações no funcionamento da tireoide, podendo ser na falta de concentração um sinal de hipertireoidismo e, no caso de esquecimento, ser um sinal de hipotireoidismo.

  1. Queda de cabelo, pele seca, unha quebradiça, sobrancelha fina

A perda de cabelo é normal durante períodos de grande estresse e nas estações de outono e primavera, porém, se essa perda de cabelo se torna muito pronunciada ou se prolonga para além destas épocas, isso pode indicar que haja alguma alteração no funcionamento da tireoide. Além disso, a pele seca e a coceira podem ser indicativos de problemas na tireoide, principalmente se esses sintomas não estiverem relacionados com o tempo frio e seco.

Muitas mulheres ficam surpresas ao saber que a perda de parte das sobrancelhas (especificamente da borda externa) é um sinal de hipotireoidismo, a qual acompanha a perda de cabelo de um modo geral.

  1. Alterações de humor

O déficit ou o excesso de hormônios da tireoide no organismo podem provocar alterações de humor, podendo o hipertireoidismo provocar irritabilidade, ansiedade e agitação, enquanto que o hipotireoidismo pode causar tristeza constante ou depressão, devido à alteração dos níveis de serotonina no cérebro.

  1. Prisão de ventre

Alterações do funcionamento da tireoide podem causar dificuldades na digestão e prisão de ventre, o que não se consegue resolver com a alimentação e prática de exercício físico.

  1. Sonolência e dores musculares

Sonolência, cansaço constante e um aumento do número de horas que se dorme por noite podem ser um sinal de hipotireoidismo, que desacelera as funções do corpo. Além disso, dores musculares ou formigamentos sem explicação também podem ser outros sinais, pois a falta de hormônio da tireoide pode danificar os nervos que enviam sinais do cérebro para o resto do corpo, provocando formigamentos e pontadas no corpo.

  1. Desconforto na garganta e no pescoço

A glândula da tireoide encontra-se localizada no pescoço e, por isso, caso sejam percebidos dor, desconforto ou a presença de nódulo ou caroço na região do pescoço, pode ser indicativo de que a glândula está alterada e crescendo, o que pode interferir no seu bom funcionamento.

  1. Palpitações e pressão alta

As palpitações que fazem por vezes sentir a pulsação no pescoço e pulso, podem ser um sintoma que indica que a tireoide não está funcionando como deveria. Além disso, a pressão alta pode ser outro sintoma, especialmente se não melhora com a prática de exercício físico e dieta, podendo o hipotireoidismo causar um aumento dos níveis de mau colesterol no corpo.

  1. Falta de libido

A perda de desejo sexual e falta de libido podem ser consequência de alteração na função tireoidiana.

  1. Fadiga

Sim, o hipotireoidismo apaga você. Ele deixa menos eficaz seu equilíbrio e controle de energia. Você começa a perceber que um dia inteiro no trabalho cansa muito mais do que costumava, bem como que os treinos que você costumava amar são muito cansativos agora. Enquanto que no hipertireoidismo você se acaba, o que também pode resultar em fadiga. Você se sente nervosa ou como se tivesse tomado muitas xícaras de café, o que pode deixá-la extremamente cansada no fim do dia.

  1. Ciclo menstrual

Seu período, de repente, ficou muito mais intenso do que o normal? Pode ser sinal de hipotireoidismo. É que a sua tireoide afeta o ciclo, alterando o funcionamento do ovário. No hipertireoidismo ocorre o inverso: você pode ter períodos bem mais leves do que está acostumada ou ele pode desaparecer por alguns meses, inesperadamente.

  1. Olhos inchados ou secos

A doença de Graves (um distúrbio autoimune que gera hipertireoidismo) pode causar algumas alterações visuais. Um sinal revelador são os olhos inchados e protuberantes. Por sua vez, olhos secos e irritados, sem causa alérgica, ou por uso de medicamentos, podem ser um sintoma de hipertireoidismo ou hipotireoidismo.

  1. Sempre com frio (ou calor)

Constantemente com frio? Sua sensibilidade à temperatura pode ser um sinal de hipotireoidismo. A circulação lenta pode deixar você com frio quando está perfeitamente quente e todos ao seu redor se sentem bem. O oposto vale para o hipertireoidismo: você pode ser super sensível a qualquer calor e suar mais do que os outros.

  1. Inchaço nas extremidades inferiores

Se você notar um inchaço repentino na parte inferior do corpo (quadril, joelhos, tornozelos e pés), pode ser um sinal de retenção de líquidos que, por sua vez, pode ser um sinal de hipotireoidismo.

  1. Dificuldade para engravidar

Se você está tentando engravidar sem sucesso, provavelmente pode estar com alguma alteração ovulatória decorrente do mal funcionamento da tireoide, cuja investigação faz parte da avaliação inicial destas pacientes.

A causa mais frequente do hipotireoidismo é a tireoidite de hashimoto, uma disfunção autoimune, que propicia a produção de anticorpos pelo organismo, danificando a tireoide e reduzindo sua capacidade de produzir os hormônios.

A causa mais comum de hipertireoidismo é a doença de Graves, que ocorre quando o sistema imunológico começa a produzir anticorpos que atacam a própria glândula tireoide.

O câncer de tireoide é o mais comum na região da cabeça e pescoço e afeta três vezes mais as mulheres do que os homens. Pela estimativa brasileira (2018), é o quinto tumor mais frequente em mulheres nas regiões Sudeste e Nordeste (sem considerar o câncer de pele não-melanoma).

O diagnóstico do câncer de tireoide começa com a história clínica e o exame físico. Muitas vezes, em tumores pequenos, os pacientes são assintomáticos. O diagnóstico normalmente é feito após realização de ultrassonografia do pescoço, na qual é encontrado um nódulo. De acordo com as características do nódulo, é feita punção aspirativa ou biópsia, por meio da qual pode ser confirmado o diagnóstico de câncer. Caso seja esse o resultado, o paciente é encaminhado ao cirurgião para tratamento.

Desde 2008, a Thyroid Federation International celebra a data de 25 de maio e comemora o Dia Internacional da Tireoide, como forma de chamar a atenção para essa pequena, mas tão importante glândula.

Para a campanha de 2021, definiu como temática as doenças da tireoide e a deficiência de iodo, antes, durante e depois da gravidez, para que, assim, seja possível reconhecer os sintomas e seus efeitos no feto.

Além da deficiência de iodo, a chance de desenvolver outros problemas de tireoide durante a gravidez aumenta, porque a glândula produz até 50% mais hormônio em comparação com o período em que a mulher não está grávida, aumentando a probabilidade de desenvolver hipotireoidismo durante a gestação.

Caso qualquer alteração no pescoço ou um desses sintomas seja percebido, é importante que consulte um clínico, endocrinologista ou ginecologista, logo que possível, para que este possa solicitar a realização de exames de sangue (que medem os níveis do hormônio da tireoide) e de ultrassom (para verificar a existência de possíveis nódulos).

Gustavo Safe é diretor e médico especialista em endometriose no Centro Avançado em Endometriose e preservação da fertilidade, Clínica Ovular fertilidade e menopausa e Instituto Safe. Estudioso dos assuntos relacionados à saúde da mulher com enfoque na dor pélvica, infertilidade, preservação da fertilidade, endometriose, endoscopia ginecológica e cirurgias minimamente invasivas.

Siga o Centro Avançado em Endometriose nas redes sociais para

ver informações e dicas sobre a saúde da mulher: